PIMPOLHOS

OlhosDesobedecendo a dona Dora, sua mãe, a quem prometera nunca fechar o trinco,
Tulio trancou-se no banheiro. Queria a certeza de estar sozinho para embriagar-se do que mais o enchia de terror: Mirar-se no espelho!

Percorria o próprio reflexo com atenção crescente: Camisa xadrez levemente verde, colarinho aberto um tantinho surrado. Seu olhar ultrapassava o queixo, subia-lhe o rosto pelas curvas do nariz e invadia o domínio dos olhos.

Escancarou-os, enquanto os aproximava do vidro platinado. Concentrou-se no brilho daqueles dois pontos negros, suas pupilas, misteriosos portais. Devagar, das profundezas indistintas de algum canto de seu ser, passava a dominá-lo certa sensação assustadora: “Eu existo”… “estou vivo”… “isso é real”… “eu sou eu”… E sentiu um assombro medonho, por constatar que a existência era irreversível. Estava no mundo, era um fato.

Pupila

Também experimentou nessa hora um enorme desamparo. Mesmo ainda uma criança, perfeitamente entendia que estava só. Não havia pai ou mãe que vivesse por ele. Era Tulio e a vida que lhe pulsava nas veias. E isso dava um medo atroz, pela certeza de que ela um dia não mais pulsaria.

Para romper tal espiral de sedução piscou repetidas vezes apertando as pálpebras, e saiu do banheiro ávido por sorver a brisa da tarde à luz de um sol ardente.

– “Mãe, vou dar uma volta”, gritou para que a casa inteira escutasse.

Estava na idade em que um homem reivindica o direito de sair às ruas. Então sua mãe não se opôs:

– Vai chover!

Corrida

Mas ele só ouviu o bater descuidado do portão e já corria ladeira abaixo, acelerando o coração. Buscava dissipar a estranha impressão de há pouco, espécie de mergulho no abismo. Foi retomando a confiança e afrouxando o passo. Baixou os olhos e reconheceu a velha calçada composta de placas, que faziam um delicioso bump-bump  bump-bump quando por elas passava alguma bicicleta.

O sol ardia mas o vento refrescava quando dobrou a esquina e viu a cena insólita: o animado garoto negro, debruçado no muro, gritava para um papagaio engaiolado no quintal:

Tonho

– O Amadeu é um corno! O Amadeu é um corno!

Era Tonho, seu amigo, pouco mais velho.

– O que cê tá fazendo?

– Sacaneando o Seu Amadeu. Faz dois dias que tô ensinando o papagaio dele a dizer que ele é um corno. Já já o bicho aprende.

– E por quê?

– Prá sacanear o velho, ué. Filho-da-puta que vive me tratando mal. Aonde cê tá indo?

– Sei lá… tô dando uma volta.

– Então vem comigo, vou te mostrar uma coisa legal.

Vira-lata

E foram pela calçada, seguidos por Tapioca, vira-lata sem dono que ao vê-los desistiu de investir contra os carros e juntou-se ao movimento.

Falasse o cão a língua dos homens… Pois participava ali de momentos dos mais marcantes na vida de dois amigos. Mas como nada entendia, disso ele não sabia.

– Esse é o trabalho que eu quero fazer quando crescer, disse Tonho, apontando para um técnico da companhia telefônica aboletado no poste.

– Por quê?

– Prá ficar ouvindo a conversa dos outros, já imaginou que legal?

poste

Tulio não imaginara, mas agora imaginava.

O céu aos poucos se tornava ameaçador, nuvens negras avolumando-se vindas do horizonte. Os três amigos chegaram por fim à linha férrea, num trecho distante das porteiras da estação. Tonho tirou do bolso uma moeda dourada e a colocou cuidadosamente sobre um dos trilhos.

Moeda

– Cê vai ver que legal!

Nisso já uma composição prateada assomava a toda velocidade, soando a ensurdecedora buzina a fim de expulsar os pimpolhos da linha. De repente, toneladas passaram zunindo, um vagão atrás do outro, um vagão atrás do outro, um vagão atrás do outro… Barulhão infernal prá quem se encontrava ali embaixo, rente ao atrito das rodas. Tapioca fugiu correndo.

Tonho foi recolher o que restara da moeda, uma fina lâmina redonda com o dobro do tamanho original. Tulio estava encantado pela ousadia do amigo.

– Uau!

E assim ficaram enquanto duraram as moedas de Tonho, que não eram mais que quatro. Quatro moedas, quatro trens – três de passageiros e um de carga. Mas a medida certa, porque já se ouviam as trovoadas e a ventania aumentara. Começaram a cair os primeiros pingos, grossos e intimidadores. A tarde esfriara, escurecera e relâmpagos riscavam o céu, clareando tudo com um esverdeado elétrico. Voltaram apressados.

Ferrovia

Caía agora um temporal pesado. Ensopados, chegaram ao pé da subida para o folguedo ideal num dia de chuva: caminhar contra a enxurrada. Os minutos que levaram para vir dos trilhos à avenida bastaram para que um dilúvio se formasse. Tulio ia à frente, um caudal barrento a bater-lhe nas canelas e espirrando acima dos joelhos. Sorria e gritava de alegria quando num relance viu o filhote de gato que descia na correnteza, miando desesperado.

– Tonho, o gato!

Enxurrada

O bichinho resvalou com força em suas pernas e ia sumindo sarjeta abaixo se Tonho, ágil como um saci, não tivesse dado dois pulos e conseguido resgatá-lo.

– Caramba, que milagre ele ainda estar vivo!

– É… Mas está mais morto do que vivo, observou Tulio.

O passeio perdeu a graça, entraram a correr para chegar logo à casa de Tulio, onde algum cuidado poderia ser providenciado. Os segundos urgiam. Ao chegarem, ninguém sabia o que fazer.

– Vamos enxugá-lo com uma toalha, disse Tulio.

– Não. Vamos aquecê-lo. Está tremendo de frio, retrucou Tonho.

Foi o que fizeram. Deixando de fora o focinho, colocaram o filhote numa tigela com água morna. O bichinho estava entregue, já mal miava. Secaram-no e o puseram coberto com uma velha blusa frente ao pires com leite. Por ora, nada mais havia a ser feito. Tonho se foi.

Naquela noite Tulio sonhou que voava e que salvava gatos e gentes, e que era uma pessoa boa, porque depois de salvos todos ficavam amigos dele. Em seu sonho acudira um gato e o batizara de “Sininho”. Alegrou-se, era mais um parceiro na turma.

flying boy

Pela manhã, ao encontrar o bichano morto a imagem do espelho veio-lhe aos olhos.

E em seu coração misturou amigos e morte, existência e tristeza, e sentiu um nó na garganta. Fitando Sininho morto, perguntou-se o que fazer. Tão novo e já enterrando um amigo, mas assim era a vida, concluiu.  E verteu uma lágrima.

Foi ao quintal, abriu uma cova rasa, nela sepultou o gato. E para que nem tudo ali fosse tão funesto, para que mesmo na morte houvesse vida, transplantou à campa o broto de feijão que há dias semeara no algodão.

feiijão

Anúncios

22 Comentários

Arquivado em Uncategorized

22 Respostas para “PIMPOLHOS

  1. Mandou bem, Thenorio! Conto cheio de vida e verdade… 😉 Bjoka
    Érikita

  2. Leonardo Colosso

    Parabéns, deu uma melhorada boa !!! Gostei. Ficou bem legal.

  3. Augusto Andrada

    Bom , muito bom , agora é acompanhar o crescimento do pé de feijão e enquanto ele cresce, escrever outros contos , pois esse agora é do mundo já não te pertence mais. Abraços.

  4. carlinhos

    Demais,Élcio…gosto muito dos teus contos!Parabéns mais uma vez…

  5. Enzo M. Ballarini

    Agabau, gostei muito! Você escreve bem demais, tem um ritmo delicioso. No começo me preocupei com o vocabulário, mas depois vi que era grilo meu. Tenho uma sugestão – Esse broto de feijão que aparece só no final da história, poderia fazer parte da primeira cena, a do espelho, quando ele descobre a vida.
    Parabéns, bjs.

  6. Não tem nada a mais.
    Algumas cenas deveriam ser mais longas, descrevendo mais profundamente os sentimentos.
    A ação poderia ser mais longa também, sem medo de tornar o conto longo demais, um dia na vida de uma criança é uma coisa longa.
    Mas esta ótimo, adorei.
    Bjs.

  7. Neimar

    Muito bom o texto, primo. Cumpre bem a principal função: manter a atenção do leitor para ver o desdobramento de cada nova situação. Será esse conto uma semente de feijão a gerar novas histórias?
    Parabéns!

  8. chico

    Muito legal mesmo, as fotos junto com o texto faz com que o leitor estivesse quase que assistindo a um filme. Voce sempre teve jeito pra escrever, vai mais fundo e tera muitos seguidores.

  9. M Flavia

    Gostei muito, as cenas visualizadas junto ao texto ficou muito bom
    Continue mandando seus textos
    Abs

  10. EStou lendo um livro no momento; cujo enredo é justamente sobre este momento da idade das descobertas .O seu conto está muito bem formulado… parabéns.

    jose felisbeto
    Ponta Grossa – PR

  11. Eu gostei mutio da historia! Você escreve muito bem parabens………beijos
    Rose

  12. Mauro

    “MOR BARATO“

  13. Alecia

    Gostei bastante Élcio, é leve e profundo ao msm tempo ! Acho q vc ta se tornando um escritor. rs. O Próximo poderia ser um romance, o q vc acha ?……….. Bjs Querido sou sua fã 🙂

  14. Élcio querido, gostei muito! As ilustrações ficaram ótimas. Marcante a diferença das cenas verdadeiras com fotos, e do sonho com desenho. Adorei quando descreve as pupilas como dois pontos negros! Na hora da enxurrada…fiquei com medo que levasse um dos meninos. É bem real! Parabéns! Bjs! =)

  15. Adorei primo…parece que voltei a minha infância, o “se olhar” no espelho, as descobertas, também tentei salvar um gato que também morreu e enterrei no meu quintal…concordo com a Diva, as ilustrações ficaram ótimas!!! beijão

  16. Soraya Lesjak

    Élcio, gostei muito. Texto dinâmico, fluído, bem no ritmo dos personagens. Além disso, revela toda a intensidade da infância (ou melhor, da vida), por vezes desafiadora e assustadora e, ao mesmo tempo, repleta de detalhes e descobertas mágicas. Uma iniciação que levamos para o resto da vida…Gostei deste antagonismo, pois nós adultos quase sempre achamos tudo tão fácil nesta fase da vida, mas ela é repleta de desafios imensos acompanhados das mais nobres descobertas. Parabéns !

  17. Anna

    Nossa que coincidência! Semana passada encontrei, aqui no condominio, um gatinho morto e a seu lado uma criança sentada com a babá(velando-o). Cena triste, criança triste… pedi que a babá se retirasse com o garotinho de aprox. de 5 anos e fosse jogar bola, andar de bike, pular amarelinha, pisar na grama.
    No final fiquei com mais pena da criança do que o gatinho e com raiva da babá! Agora estou com esse sentimento ruim no meu coraçãozinho (rs).

    Elcio, bacana… parece real! Amei a parte do espelho (descoberta), do amigo, do trem porém não gostei da morte do gatinho e nem da enchente, entendo que é um conto. Uma criança deve experimentar e viver coisas boas, próprias de sua idade…. que tal direcionar o texto e viajar no pé de feijão, e somente depois que esse menino crescer um pouquinho mais, ai sim vc. poderá mostrar o mundo real. Cada coisa no seu tempo! Como vc. manda bem tenho a certeza que irei me divertir igual a uma “criança”. (rs). Como sempre parabéns! bjks

  18. Lucila

    Muito bom, fez lembrar minha infância, quando chovia era muito legal brincar na enxurrada, parabéns. Bjs.

  19. Lucila

    Ia me esquecendo dos sonhos de criança e das figuras, que nos faz viajar no tempo. bjss.

  20. Edson Tomaz de Lima

    Muito bom, gostei mesmo. A descrição do primeiro sentimento de uma menino ao tomar consciência da sua existência é algo que fica impregnado em nós e submetido ao mais escuro do ser, pois revivê-lo na idade adulta parece um não amadurecimento, porem acredito que é isso – o reviver deste sentimento agora na idade adulta – é que te dá uma certa urgência de viver pois esta plena consciência dá a exata noção da morte e de sua inexorável chegada. Talvez agora seja hora de plantar o pé de feijão e espelhar o nosso desespero na espera de uma nova vida. Parabéns, gostei muito do conto e me trouxe lembranças da infância e até mesmo do medo de crescer. Acho este tema fascinante e você deveria explorá-lo mais.
    Grande abraço
    Edson Tomaz

  21. capitaomor

    Beleza Edso, curti muito teu comentrio. Essa semana j mandamos mais um: DOG LOVE. Botei ele a na tua linha do tempo, pr vc dar uma viajada…Abrao e aproveite mesmo as terras do norteElcio

    > Date: Sun, 16 Jun 2013 00:40:00 +0000 > To: capitao_mor@hotmail.com >

  22. Sinesio Dozzi Tezza

    Gostei Elcio. Lembrou muito a minha infância e os amigos que eu tinha. O conto prende a atenção da gente …faz com que se imagine a feição dos meninos. Tudo a ver com Trens, linhas férreas, apitos que encantam sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s